PUBLICIDADE


Notícias, Saúde Visto 54 vezes

A vitamina D é fundamental para o desenvolvimento de ossos firmes e fortes… Saiba mais…

O sol é responsável por 90% da produção de vitamina D que o nosso organismo precisa. Mas será que todo mundo tem que tomar suplemento? Para tirar as dúvidas, o site Bem Estar, do portal de notícias G1, conversou com a endocrinologista Marize Lazaretti e o consultor e ginecologista José Bento. Por que comer alimentos ricos em vitamina D não supre a deficiência?

A vitamina D tem múltiplas funções. As mais reconhecidas são no sistema musculoesquelético. Ela é importante para absorver o cálcio da dieta no intestino, para regular o cálcio no sangue e mineralizar o osso – deixá-lo mais duro.

A falta dela aumenta a chance de osteoporose, causa amolecimento dos ossos em adultos e raquitismo nas crianças. É importante monitorar a vitamina D porque a deficiência dela só será percebida quando já estiver avançada. A pessoa sente fraqueza muscular e dor nos ossos. Antes disso, não há sintomas.

Deficiência e produção

O nível de vitamina D será proporcional à exposição solar. Se você não se expõe ao sol frequentemente, não faz caminhada ao ar livre, não usa roupas abertas, muito provavelmente você tem deficiência de vitamina D. Estão no grupo de risco pessoas que fizeram a bariátrica, pessoas com doenças crônicas que dão inflamação e idosos.

O raio solar UVB é a principal fonte de vitamina D. É necessário se expor ao sol, entre as 10h e 16h, sem filtro solar ou qualquer outra proteção, por 15 minutos, para ter uma boa produção. Mas nem todo mundo pode. Por isso, é preciso monitorar a vitamina D e procurar um profissional. Em alguns casos, a suplementação é necessária.

A alimentação não é considerada uma fonte de vitamina D porque não faz parte da dieta dos brasileiros. As fontes são: peixes gordurosos (salmão, cavala, atum, sardinha), cogumelos cultivados no sol e óleo de peixe. Teríamos que comer muito peixe diariamente para atingir a quantidade necessária.

Excesso

Nosso organismo não deixa ter excesso de vitamina D produzida pelo sol. No entanto, a intoxicação pode ocorrer com suplementos. O excesso aumenta muito o cálcio no sangue e vai dar náuseas, vômito, excesso de xixi e uma desidratação importante que leva à insuficiência aguda do rim.

Fraturas

Médicos e cientistas já tinham arrumado ótimos raciocínios para explicar como a suplementação com cálcio e vitamina D poderia ajudar a prevenir fraturas. O problema é que, na prática, provavelmente não adianta incentivar o uso de cálcio e de vitamina D para prevenir fraturas. Um estudo publicado na revista médica “Jama”, feito com dados de vários outros – uma meta-análise –, mostrou que não há evidência científica suficiente para apostar nesse caminho.

Um dos critérios fundamentais para que os estudos entrassem na conta é a presença de grupos controles, que foram comparados aos grupos tratados para averiguar o efeito das doses. Ao todo, dados de 33 trabalhos foram compilados, totalizando 51.145 participantes.

A conclusão: nenhum suplemento (cálcio, vitamina D ou a combinação dos dois) está associado a um menor risco de fraturas, independentemente da dose, do sexo do paciente, do histórico de fraturas, da ingestão de cálcio na dieta ou na concentração sanguínea de vitamina D.

Fonte/ Jornal O Sul


Veja também:

ASSINE SPEEDRS


PUBLICIDADES